A resposta certa

by davidraimundo

No que diz respeito às interpretações do Apocalipse, o último e talvez o mais enigmático livro da Bíblia, as doutrinas cristãs agrupam-se em quatro correntes principais: preterismo, futurismo, historicismo e idealismo. A melhor opção? Cristo.

Ainda no âmbito da escatologia há um debate interessante acerca do significado concreto do período de 1000 anos que é mencionado no capítulo 20 de Apocalipse. A interpretação é difícil, o consenso não existe e surgem assim o pré-milenismo, o amilenismo e o pós-milenismo. A melhor opção? Cristo.

Quanto à origem da vida no planeta Terra, herdámos do trabalho do sr. Darwin um combate que já dura há décadas. O evolucionismo e o criacionismo têm estado nesta batalha que talvez seja totalmente equivocada. A melhor opção? Cristo.

E como conciliamos a doutrina da pré-destinação com a doutrina do livre-arbítrio, sendo que biblicamente são ambas sustentáveis? Aqui não costuma haver muito espaço para a conciliação. As posições bipolarizam-se: ou o calvinismo ou o arminianismo. A melhor opção? Cristo.

As doutrinas relativas às manifestações dos dons do Espírito constituem também uma fonte de cisão entre cristãos. De um lado o pentecostalismo, do outro o cessacionismo. A melhor opção? Cristo.

Ainda mais profunda é a cisão histórica entre os cristãos que aceitam a autoridade do Papa e aqueles que a rejeitam. De Lutero herdámos o protestantismo e de Constantino herdámos o catolicismo romano. A melhor opção? Cristo.

Saindo da esfera estritamente religiosa, assistimos ao confronto tripartido entre os que acreditam na existência de algum tipo de divindade, os que afirmam que não é possível provar nem a existência nem a inexistência de um Deus e os que defendem a não existência. Assim, no cardápio da sociedade actual, dispomos de três hipóteses: o teísmo, o agnosticismo ou o ateísmo. A melhor opção? Cristo.

Não me interpretem mal, não desprezo inteiramente estes debates. Até me divirto a pesquisar acerca das ideias e das evidências que sustentam cada corrente, se bem que em vários casos não penso que venha a chegar a qualquer conclusão. Posso ainda assim confessar que a minha posição é bem vincada numa ou noutra destas questões e que muitas vezes até procedo de forma idiota ao me julgar o dono da razão absoluta quando as abordo.

Então, não querendo desprezar por completo estes debates, quero pelo menos desvaloriza-los. Os ismos contemporâneos podem ser interessantes, mas facilmente se tornam armadilhas. A minha fé é Cristo e Cristo é revelado como sendo muito mais e muito maior que Lutero, Darwin, Calvino, Armínio, Constantino, Dawkins ou David Raimundo. Logo, Cristo também é muito mais e muito maior do que todos os ismos criados por estes homens ou pelos que se tornaram discípulos deles. Cristo é muito mais e muito maior do que todos os qualquer-coisa-ismos. Inclusive, Cristo é muito mais e muito maior do que o cristianismo.

A resposta certa a qualquer questão existencial, intelectual ou fracturante não é dada na forma de um ismo. A resposta certa é Cristo.

Anúncios